domingo, 22 de fevereiro de 2015

Experimentando as Profundezas de Jesus Cristo Através da Oração




Madame Guyon

Capítulo 2. Iniciando-se

“Orar a Escritura” e “Constemplar o Senhor”

Gostaria de dirigir-me a você como se você fosse um iniciante em Cristo, procurando conhecê-Lo. Assim fazendo, deixe-me sugerir dois modos de você ir ao Senhor. Ao primeiro chamarei de “orar a Escritura”; ao segundo chamarei de “contemplar o Senhor” ou de “esperar em Sua Presença”.

2.1. Orar a Escritura

“Orar a Escritura” é um modo especial de lidar com a Escritura; envolve tanto a leitura como a oração. Eis aqui como começar.
Abra a Escritura; escolha alguma passagem que seja simples e suficientemente prática. A seguir, vá ao Senhor, quieto e humildemente. Aí, diante Dele, leia uma pequena parte da passagem que você escolheu. Seja cuidadoso enquanto lê. Tome o que está lendo de modo completo e gentil. Prove-o e digira-o à medida que lê.
No passado, pode ter sido seu hábito de, enquanto lia, mover-se rapidamente de um versículo para outro, até que lesse toda a passagem. Talvez estivesse procurando o ponto principal do texto. Ao chegar ao Senhor, porém, por meio de “orar a Escritura”, você não lerá assim rápido; fará isso bem devagar. Não se moverá de uma passagem para outra até que tenha sentido o verdadeiro coração daquilo que está lendo. Poderá então tomar a parte da Escritura que o tocou e transformá-la em oração.
Depois de ter sentido algo da passagem, e depois de saber que a sua essência já foi extraída e que todo o sentido mais profundo dela já saiu, então, bem devagar, suavemente, e de modo tranqüilo, comece a ler a próxima parte do texto. Você ficará surpreso por ver que seu tempo com o Senhor terminou, e que terá lido muito pouco, provavelmente não mais de meia página.
“Orar a Escritura” não se julga pelo quanto você lê, mas pela maneira que lê.
Se você ler rapidamente, isso lhe trará pouco benefício.
Você será como uma abelha que apenas desliza na superfície de uma flor. Ao invés disso, nesta nova maneira de ler, com oração, você precisa tornar-se como a abelha que penetra nas profundezas da flor, mergulhando muito nela para retirar seu néctar mais profundo.
Naturalmente, há um tipo de leitura da Escritura para a erudição e para o estudo – mas não agora. O tipo de leitura erudita não o ajudará, quando se tratar de assuntos que são divinos! Para receber qualquer proveito ulterior e profundo da Escritura, você precisa ler como acabei de descrever. Mergulhe nas próprias profundezas das palavras que lê, até que a revelação, como um doce aroma, se derrame sobre você.
Estou certa de que, se você seguir esta linha de conduta, pouco a pouco chegará à experiência de oração muito rica, que fluirá do seu interior.
(Na sequência, veremos a segunda espécie de oração mencionada).

2 comentários:

clériston kalley disse...

Amem Deus e lindo e magnifico.

clériston kalley disse...

Amem Deus e lindo e magnifico.