domingo, 8 de outubro de 2017

Levanta-te, resplandece - Luiz Fontes (3)


Conclusão do estudo "Levanta-te, resplandece", ministrado pelo irmão Luiz Fontes

Levanta-te, resplandece - Luiz Fontes (2)



Levanta-te, resplandece - Luiz Fontes (1)


Irmãos fica aqui mais uma mensagem para edificação da Igreja. Que DEUS fale aos nossos corações.

domingo, 17 de setembro de 2017

Conferência em Itaberaba - Mensagem 3



3ª Mensagem 

Revelação da Glória de Deus 

Por: Luiz Fontes 

Data: 10/09/17

Conferência em Itaberaba - Mensagem II


2ª Mensagem

O Avivamento começa em nossos lares 

Por: Luiz Fontes 

Data: 09/09/17

Conferência em Itaberaba - Mensagem I



1ª Mensagem - Vida e Poder

Fundamentos do Avivamento

Por: Luiz Fontes

Data: 08/09/17

segunda-feira, 24 de julho de 2017

A Igreja em Colossos

Capítulo 10: A Igreja em Colossos (Parte 1)


At 19:10; Cl 2:6-10a


Oremos:

Querido Mestre, nosso Senhor Jesus, estamos todos aqui esperando ouvir de Ti. Pedimos que Tu fales por meio de Tua Palavra ao nosso coração para que Te ouçamos e nos levantemos para Te seguir. Nós submetemos este tempo a Tuas mãos e confiamos em Ti. Em Teu nome, nosso Senhor Jesus. Amém.

Nesse tempo que temos estudado sobre a vida do Corpo de Cristo como demonstrada no livro de Atos, temos meditado tanto sobre o lado positivo como sobre o negativo da vida do Corpo. O lado negativo são aquelas coisas que devemos evitar, e o positivo são as coisas que precisamos possuir. Na realidade, a vida do Corpo de Cristo é uma com a vida do próprio Cristo, porque é uma única vida, a mesma vida. É a vida que nosso Senhor Jesus viveu encarnado em Seu corpo, e essa mesma vida é agora vivida em Seu corpo místico. Assim, qualquer coisa que seja contraditória, contrária, diferente da vida que Cristo viveu durante o período de Sua encarnação não pode ser considerada como a vida do Corpo de Cristo sobre a Terra hoje. Há muito que podemos aprender da vida das igrejas no primeiro século, porque a vida que elas tinham é a mesma que temos hoje. É a mesma vida que nosso Senhor Jesus viveu enquanto estava na Terra, pois a Igreja é o Corpo de Cristo e sua vida é a vida de Cristo.
Bem, vamos considerar a vida da igreja em Colossos. No livro de Atos não encontramos o nome Colossos, mas temos a carta escrita pelo apóstolo Paulo à igreja naquela cidade. Colossos era uma das três cidades no Vale de Lícia. As outras duas cidades eram Laodicéia e Hierápolis. Na carta aos colossenses, o apóstolo mencionou Laodicéia e Hierápolis porque essas três cidades formam um triângulo inclinado. Eram próximas uma da outra, em distância de caminhada, e de certa maneira formavam uma unidade. Dessas três, Laodicéia, por ser uma cidade metropolitana, era a mais proeminente, Hierápolis era a segunda mais importante e Colossos, de fato, era a de menor importância das três. Ainda assim, para essa pequena cidade, para essa pequena igreja, uma grande carta foi escrita. Quão gratos somos a Deus por essa carta aos colossenses! O que faríamos se não tivéssemos essa carta? Nosso conhecimento e entendimento de nosso Senhor Jesus não seria completo, não seria pleno. É graças a essa carta aos colossenses que chegamos a um pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus.

Extraído do livro A Vida da Igreja, o Corpo de Cristo, Stephen Kaung.

quarta-feira, 1 de março de 2017

CAPÍTULO 7: A IGREJA EM TESSALÔNICA (PARTE 7)











LIDERANÇA



(Leitura: 1Ts 5:12,13; Hb 13:17; 1Co 3:9; Tt 1:5; At 20:28; 1Pe 5:1-4)



Ao mesmo tempo, em um curto período de tempo, o Espírito Santo já havia manifestado aqueles que deveriam estar na liderança. Em 1 Tessalonicenses, 5:12,13 é dito: “Agora vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós, e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam.” Eles estavam profundamente salvos. Nosso problema é que somos salvos, mas apenas salvos. Se formos firmemente salvos e estivermos debaixo da liderança de Cristo, nosso Cabeça irá cuidar de Seu corpo. Como podemos imaginar que Cristo irá deixar Seu rebanho sem cuidado? Ele é responsável pelo rebanho.
Num espaço muito curo de tempo, Deus já havia levantado alguns para trabalhar e liderar no meio dos tessalonicenses que eram capazes de admoesta-los no Senhor. Esses líderes não foram indicados pelo homem, mas foram manifestados pelo Espírito Santo. Não havia qualquer posição, qualquer título, mas apenas a função. Era um trabalho de amor. Guiar, encorajar, exortar, fortalecer, cuidar é um trabalho de amor. Hoje, olhamos a liderança como um título, como uma posição, como algo que precisa ser ordenado e apontado pelo homem; mas nos primeiros dias do cristianismo não era dessa maneira. Todos reconheciam a liderança. Era um trabalho de amor; e, por causa desse trabalho de amor por parte dos que se davam à igreja, os demais irmãos e irmãs retribuíam o devido respeito a eles. Não era um respeito relacionado à posição, mas retribuíam respeito ao trabalho de amor que exerciam. Era uma consideração ao amor. Os irmãos e irmãs amavam aqueles que os lideravam.
Como é diferente o que vemos atualmente! No cristianismo hoje, essa questão de liderança é um problema em toda parte. Como a liderança é praticada? Teoricamente, sabemos que o Espírito Santo irá manifestar os líderes, mas, depois de serem manifestados, eles não são reconhecidos porque todos querem ser a cabeça e não a cauda. Há muito conflito entre a liderança e o corpo. Mas na Igreja normal há harmonia. Por outro lado, aqueles que estão na liderança devem servir em amor, e, da mesma forma, os que estão sendo servidos devem respeitar a liderança em amor. Que quadro maravilhoso é esse! Essa é a vida da igreja em Tessalônica.

Extraído do Livro: A Vida da Igreja, o Corpo de Cristo – Stephen Kaung

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

CAPÍTULO 7: A IGREJA EM TESSALÔNICA (PARTE 1)



INTRODUÇÃO

(Leitura: Atos 17:1-10)


Temos meditado na vida das primeiras igrejas, especialmente daquelas descritas no livro de Atos, para ver como os irmãos nelas vivam juntos, que testemunho trouxeram para o mundo, em que áreas pessoais foram abençoados e em que aspectos foram advertidos. A razão para isso é aprendermos com elas as lições que o Espírito Santo quer nos ensinar hoje. Assim, continuaremos nosso estudo baseado na vida da igreja em Tessalônica. Após Paulo e Silas terem sido requisitados a sair de Filipos, eles viajaram para a cidade de Tessalônica, que distava aproximadamente 160 quilômetros de Filipos. Ainda estavam na Macedônia, pois Tessalônica era a capital da Macedônia naquela época. Não era apenas um centro político, mas também um centro comercial. Havia uma sinagoga ali, ao contrário de Filipos, onde não havia nenhuma. O costume de Paulo era ir à sinagoga e pregar as boas-novas do evangelho de nosso Senhor Jesus, porque aqueles que iam ali eram pelo menos familiarizados com o Antigo Testamento. Portanto, Paulo foi até eles e arrazoou com eles de acordo com as Escrituras, mostrando como Cristo deveria primeiramente sofrer e, então, ser glorificado, e que o Cristo não era nenhum outro senão Jesus, a quem anunciava. Por três sábados, ele foi à sinagoga e arguiu com eles, baseado nas Escrituras, que Jesus é o Cristo, que Ele é o Messias que Deus havia prometido ao Seu povo escolhido. Como resultado, alguns judeus creram e se ajuntaram a Paulo e Silas. Entre os adoradores gregos, grande multidão creu no Senhor Jesus, e não poucas mulheres proeminentes creram também.
Quando a palavra foi pregada em Tessalônica, Paulo disse: “Porque o nosso evangelho não chegou até vós tão somente em palavra, mas sobretudo em poder, no Espírito Santo e em plena convicção, assim como sabes ter sido o nosso comportamento entre vós, e por amor de vós.” (1 Ts 1:5). A palavra foi pregada com o poder do Espírito Santo; mas, além disso, a palavra foi confirmada pela vida dos pregadores. A maneira pela qual viviam diante das pessoas reforçava a palavra que haviam pregado. Por causa disso, muitos vieram ao Senhor num período curto de tempo. Foi tão tremendo, que aquelas pessoas creram no Senhor em meio à tribulação com a alegria do Espírito Santo; e, por causa disso, a notícia se espalhou por toda a Macedônia, até mesmo na Acaia. As pessoas sabiam como Paulo, Silas e Timóteo chegaram até os tessalonicenses, como a palavra foi pregada e como, no meio da tribulação, eles haviam recebido a palavra de Deus com a alegria do Espírito Santo; e a fé deles foi noticiada em toda parte. Isso fez com que os judeus ficassem com inveja e usassem alguns rebeldes para criar um grande alvoroço. Os homens cercaram a casa de Jasom, onde Paulo, Silas e Timóteo estavam, mas não os encontraram. Então trouxeram Jasom e alguns irmãos ao magistrado da cidade; acusaram-nos de serem responsáveis por transtornar todo o mundo e de pregar contra os decretos de César, anunciando que havia outro rei. Finalmente, as autoridades libertaram Jasom e os demais após receberem fiança. Naquela mesma noite, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia. Esse foi o princípio da igreja em Tessalônica


Extraído do Livro: A Vida da Igreja, o Corpo de Cristo – Stephen Kaung

O SEGREDO DA VIDA DE PAULO




CAPÍTULO 6: A VIDA DA IGREJA, O CORPO DE CRISTO (PARTE 8) – Stephen Kaung



Leitura: Filipenses 1:21; 2:5; 3:10; 4:13


A carta aos filipenses é uma carta de amor, e, devido àquele relacionamento de amor, Paulo foi capaz de derramar seu coração para eles. Qualquer um que leia a carta aos filipenses reconhece que ela revela a pessoa de Paulo mais do que qualquer outra carta escrita por ele. Paulo foi capaz de abrir-se realmente para os filipenses e dizer: “Isso é o que eu sou”.

Ele tentou contar-lhes o segredo de sua vida. Qual era o segredo da vida de Paulo? Na carta aos filipenses ele o revelou; ele disse:

“Para mim o viver é Cristo” (Fp 1:21).

Esse é o segredo. A razão pela qual Paulo podia viver como vivia era porque, para ele, o viver era Cristo. Em Filipenses 2:5, ele diz:

“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.”

Não apenas ele possuía a vida de Cristo, mas possuía também a mente de Cristo, a qual é humilde, sem egocentrismo. Em Filipenses 3:10, ele nos mostra sua paixão, o que ele perseguia na vida para ganhar a Cristo.

Em Filipenses 4:13, ele nos diz o segredo de ser vencedor em qualquer circunstância.

“Tudo posso naquele que me fortalece.”

Esse é o viver cristão, a vida cristã, e ele compartilhou o segredo com os crentes filipenses.